Comércio de Rolim de Moura descarta aproximadamente 30 toneladas mensais de lixo reciclável

O Brasil tem uma lei aprovada que trata da política nacional de resíduos sólidos e por extensão da reciclagem de papelão. A questão da prevenção e a reciclagem é uma preocupação antiga de ambientalistas e pessoas que também não atuam diretamente na área. É um assunto prioritário para a garantia da qualidade da vida humana e da preservação do meio ambiente. Uma novidade é a preocupação crescente das empresas em descartar corretamente, especialmente o material reciclável.

A presidente da Cooperativa de Materiais Recicláveis de Rolim de Moura (RECICOOP) Lucineide Santos, falou da importância da coleta desse material. “O comércio foi o primeiro que aderiu a reciclagem e que formou essa parceria com a cooperativa dando as condições para que possamos recolher aproximadamente 30 toneladas por mês”, disse a Presidente.

Mas não é somente o papelão que a cooperativa tem recolhido, pois segundo Lucineide, a maioria do lixo que produzimos é reciclável, muito pouca coisa não se aproveita. Hoje a Recicoop retira do meio ambiente além do papelão já mencionado, 5 toneladas de sacolas plásticas; garrafas pet com embalagens de detergente e outras são mais de 4 toneladas; a cada dois ou três meses acumulamos cerca de 5 toneladas de papel; baldes, bacias e outros são mais 2 toneladas e 5 a 6 toneladas de ferro a cada dois meses.

Esse fato é também é um grande incremento social, pois são várias pessoas que vivem hoje no município dessa reciclagem, é desse material que conseguem levar o sustento para casa, por isso é necessário que novos atores entrem em cena e passem a ver com outros olhos a coleta desses materiais, não somente o comércio, mas que as pessoas em suas residências comecem a separar o material, para tanto as pessoas podem ligar que a cooperativa busca. Segundo a presidente, algumas pessoas já fazem isso, mas é necessário que toda população se consciente da importância desse ato, seja para a vida humana, e principalmente para o meio ambiente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui